É CAMPEÃO! Com um a menos e nos pênaltis, Brasiliense derrota Remo e fica com o título da Copa Verde


Foto: Diogo Puget/TV Brasil

Foi no sofrimento, foi na emoção, foi histórico! Após perder no tempo normal por 2×1, sob a forte proteção de Sucuri, o Jacaré se superou e venceu nos pênaltis por 5×4. Mesmo com um a menos desde os treze minutos do primeiro tempo, quando Balotelli levou o segundo cartão amarelo e foi expulso, o Brasiliense se segurou bem, quase marcou em contra-ataques, e levou o título nas penalidades máximas.

Com o inédito troféu, a o Brasiliense garante vaga para a terceira fase da Copa do Brasil, diferentemente dos anos anteriores, que o campeão entrava direto nas oitavas de final. Com isso, além deste direito, o time fatura R$ 1,5 milhão.

E não foi só o Brasiliense que se deu bem. Terceiro colocado no Candangão de 2020, o Real Brasília também garantiu vaga na Copa do Brasil deste ano.

O título marca o nome do Jacaré na história do futebol brasileiro mais uma vez. Sumido, desde 2010, quando caiu da série B do campeonato nacional, o Brasiliense tem no currículo uma série B, em 2004. a equipe, também, já figurou entre os quatros melhores da Copa do Brasil em dois anos. Na primeira, em 2002, quando tinha apenas duas primaveras de vida, perdeu para o Corinthians. Já em 2007, o esquadrão amarelo ficou em quarto, quando caiu para o Fluminense.

Primeiro Tempo de domínio do Remo, mas com Sucuri em evidência

O jogo começou nervoso, mas muito disputado no meio. Precisando da vitória, o Remo buscou se sobressair e partiu para cima. Tanto que, somente nessa primeira etapa, além do gol, os paraense ainda desperdiçaram boas chances de ampliar o placar e matar a partida já nos 45 minutos iniciais.

A primeira oportunidade saiu aos dez, com Hélio, e já mostrou o personagem mais importante desse segundo jogo da final. Em um chute cruzado, após erro da zaga amarela, Sucuri voou bonito e jogou a bola para escanteio. Aos 18′, Felipe Gedoz foi quem teve a chance. O meia sofreu falta na entrada área e foi o responsável pela cobrança. Ele bateu forte e a bola passou raspando no travessão.

Tudo isso era um presságio do que estava para acontecer minutos mais tarde. Em nova falta cobrada pelo camisa 10, agora mais longe, o cruzamento encontrou a cabeça do zagueiro Fredson, que subiu sozinho e estufou as redes do Brasiliense. Com esse gol, a decisão se encaminhava para os pênaltis. Porém, o Remo fazia de tudo para vencer logo no tempo normal.

Isso ficou evidente com tantas chances construídas com potencial de aumentar a vantagem. Aos 31′, após grande jogada individual, Hélio cruzou rente ao gol, mas faltaram poucos centímetros para Gedoz acertar e carimbar o seu nome no placar. Aos 36′, novamente cruzamento rasteiro para área, dessa vez de Lucas Siqueira, Wellington Silva bateu forte, mas para fora. Aos 40′, Keynan tirou uma que, certamente, seria empurrada para o gol.

Isso tudo aconteceu antes mesmo da primeira chance de gol do Brasiliense, que só veio aos 42, com o artilheiro Zé Love. Ele recebeu em profundidade, ganhou da marcação, mas o chute foi para fora. Dois minutos mais tarde, Aldo também teve uma chance, chutando de fora da área, mas Vinícius ficou com a bola.

Antes do apito final, ainda deu tempo para mais uma chegada azulina. Augusto ficou livre, dentro da área, após erro da zaga amarela, mas Sucuri ficou com a bola.

Brasiliense melhora no segundo tempo, mas expulsão permite o segundo gol

Sabendo que precisava mudar o panorama para sair com o título, o Brasiliense voltou melhor e foi premiado logo no início da segunda etapa. Aos quatro minutos, Zé Love, sempre o camisa 9, recebeu bom cruzamento de Diego e só escorou para o fundo das redes. Era o gol que o Jacaré precisava para ter uma certa tranquilidade em campo, já que o título viria para a capital com esse resultado.

Porém, a alegria durou pouco. Balotelli, que já estava pendurado com um cartão amarelo, chegou atrasado e fez falta em Hélio. O árbitro Jefferson Ferreira de Moraes aplicou mais uma punição e obrigou o lateral esquerdo a sair mais cedo de campo.

Para piorar a situação, no cruzamento da falta, feito por Gedoz, o Remo chegou ao segundo gol. Fredson deu uma casquinha na bola e Jansen aproveitou, livre, para empurrar para gol.

Com um a mais e vencendo o jogo, os donos da casa foram para cima com tudo. Com um a mais, a equipe era toda ataque. Aos 33 minutos, quase veio o gol do título. Hélio fez fila na zaga brasiliense e tocou para Dioguinho, dentro da área. O camisa 17 girou e acertou o travessão de Sucuri. O próprio atacante, assim como Wellington Silva, bem que tentaram, mas o dia era mesmo do Jacaré.

E o time de Brasília ainda assustou. Aos 41, após erro da zaga azulina, Romarinho ficou cara a cara com o goleiro Vinícius, mas o bandeirinha assinalou impedimento. Aos 48, Peu puxou contra-ataque rápido e cruzou para Jefferson Maranhão, que perdeu um gol livre.

Essa foi a última chance para evitar as cobranças de pênaltis.

Sucuri e Vinícius fazem o seu papel, mas é Wellington Silva que decide

Após o apito final, era o um contra um que decidiria quem ficaria com o troféu. Vale lembrar que o Brasiliense passou a decisão após a mesma disputa contra o Vila Nova-GO.

Os três primeiros batedores não decepcionaram. Peu e Aldo, para o Jacaré, e Gedoz, para o Remo, balançaram as redes.

Lucas Siqueira bateu para Sucuri colocar seu time a frente no placar. Porém, Vinícius repetiu a dose e também fez a defesa no chute de Sandy.

Até o chute final, Lailson, Jefferson Maranhão, Wallace, Romarinho, Jansen e Diogo marcaram seus gols e mantiveram a disputa empatada.

Wellington Silva, lateral direito que passou por Flamengo, Fluminense, Internacional, entre outros, foi para a bola. Com um chute muito ruim, ele chutou por cima do travessão e deu o título para o Jacaré. O primeiro, desde 2017, quando foi campeão Candango, e mais um nacional, que não vinha desde o campeonato da Série B do Brasileirão de 2004.

FICHA TÉCNICA
COPA VERDE – FINAL – 2º JOGO DE VOLTA
REMO-PA 2 (4) x (5) 1 BRASILIENSE
24/02/2021, 16h, quarta-feira – Estádio Mangueirão, Belém-PA

Árbitro: Jefferson Ferreira de Moraes (GO)
Assistente 1: Cristhian Passos Sorence (GO)
Assistente 2: Leone Carvalho Rocha (GO)
Quarto Árbitro: Andrey da Silva e Silva (PA)
Árbitro de Vídeo: Elmo Alves Resende Cunha (GO)

Cartões Amarelos: Zé Love, Balotelli, Badhuga (Brasiliense)
Cartões Vermelhos: Balotelli (Brasiliense)

Gols: Remo: Fredson, aos 25 minutos do primeiro tempo; Jansen, aos 15 minutos do segundo tempo.
Brasiliense: Zé Love, aos quatro minutos do segundo tempo.

REMO
Vinícius; Wellington Silva, Fredson, Jansen e Marlon (Lailson); Pingo (Dioguinho), Lucas Silveira, Felipe Gedoz e Hélio; Wallace e Augusto (Tiago Miranda).
Técnico: Bonamigo.

BRASILIENSE
Edmar Sucuri; Diogo, Badhuga, Keynan e Wagner Balotelli; Aldo, Luquinhas (Jefferson Maranhão), Sandy e Zotti (Gustavo Henrique); Zé Love (Peu) e Maicon Assis (Romarinho).
Técnico: Vilson Tadei

Fonte: esportesbrasilia
Author: Gabriel Lima

Powered by WPeMatico

ESTÁDIO NACIONAL MANÉ GARRICHA

O Portal do estadiomanegarrincha.com.br é um portal independente, que reúne informações sobre notícias do esporte, jogos e eventos no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Siga-me no Twitter

Idiomas: