Exclusivo: VTR propôs 600 mil pelo Candangão 2020, mas FFDF quis TV aberta


Por Bruno H. de Moura e João Marcelo

R$ 600 mil pelos direitos de transmissão pela internet do Campeonato Candango de 2020. 50% do que fosse arrecadado com a venda e distribuição para TV aberta e TV fechada da competição. Sinal limpo de satélite ou em broadcast e cobertura completa para canais de televisão, times de futebol ou portais de internet.

Esses foram alguns dos itens oferecidos pelo Coletivo Live Media à Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF) no último trimestre de 2019. A oferta era uma novidade nas negociações de direitos de transmissão do principal torneio de futebol de Brasília. Naquele ano, acabava o acordo entre FFDF e a Rede Globo de Televisão e os dirigentes de times locais já demonstravam insatisfação com o modelo então adotado.

A Globo pagava R$ 40 mil reais a cada participante, o que girava em torno de R$ 480 mil ao todo, por todas as mídias: TV aberta, TV fechada e transmissão via internet. Porém, a emissora não passava a primeira fase da competição, a cobertura do torneio era mínima no seu jornal esportivo diário, e os clubes não tinham interesse em continuar com um acordo que financeiramente não lhes compensava e representava quase nada em retorno de exposição.

Reunião presencial com presidente na FFDF

Foi nesse contexto que representantes do Coletivo Live Media procuraram o presidente da FFDF, Daniel Vasconcelos. Vitor Wanderley e seu então parceiro na empreitada Guilherme Kardel, representantes do Coletivo, se encontraram pessoalmente com o mandatário da entidade máxima do futebol candango e o então assessor de imprensa, na sede da FFDF.

Segundo Vitor, na reunião, ficou acordado que uma proposta oficial seria encaminhada por e-mail, o que foi feito em 18 de setembro de 2019 e os contatos se seguiram por algumas semanas. Daniel Vasconcelos se recordou do encontro nas dependências da entidade e disse que a reunião foi uma apresentação superficial da proposta.

O Distrito do Esporte teve acesso a e-mails enviados e à proposta da empresa à FFDF. O contato se deu pelo canal oficial, e-mail institucional da presidência da FFDF, e por ligações e mensagens telefônicas ao presidente Daniel Vasconcelos. Segundo Vitor, a entidade foi procurada insistentemente, mas não demonstrou interesse na proposta.

Vitor afirma que já tinha contatos com grandes empresas que patrocinariam a transmissão do torneio, mas precisava de uma sinalização positiva da FFDF e o aceite de um termo de autorização para a empresa sentar à mesa com essas corporações e negociar, em caráter exclusivo, por 30 dias os direitos do torneio. Porém, a federação não o fez e, conforme apuração do DDE, não comunicou aos seus filiados.

Dirigentes de times não sabiam da proposta

A reportagem conversou com presidentes e dirigentes de 11 dos 12 clubes que disputaram a elite do futebol local em 2020. Procuraram-se os mandatários à época para evitar confusões ou desconhecimento, por mudança de gestão, do assunto. Real Brasília, Gama, Ceilândia, Capital, Unaí, Formosa, Luziânia, Taguatinga, Sobradinho e Ceilandense, 10 dos 11 consultados, negaram terem sido informados à época, ou posteriormente, sobre a proposta da VTR Live Media. O Brasiliense disse que não se lembrava.

Alguns presidentes estranharam o contato da reportagem e ficaram surpresos com as tratativas. Segundo um deles, o valor de R$ 600 mil reais seria essencial para os clubes, outro mandatário acredita que a negociação poderia ter avançado com a empresa, pois a insatisfação com a Rede Globo, que pagava em torno de R$ 120 mil a menos, era geral, e um terceiro que era bem provável que não teria fechado com a TV Brasília caso soubesse das condições da VTR Live Media.

Presidente da FFDF diz não se lembrar do motivo específico do negócio não ter sido fechado

A reportagem procurou o presidente da FFDF, Daniel Vasconcelos. Segundo ele, a abordagem da VTR se deu enquanto a entidade tinha contrato com a Rede Globo de televisão e não podia abrir efetivas negociações com a empresa à época. Segundo Daniel, conversas e tentativas de prologar uma parceria com a Globo se deu até o final daquele ano.

Ainda conforme o presidente da FFDF,  a proposta não foi para frente porque não se tratava de um patrocínio direto ou aporte do bolso da VRT Media, mas de uma tentativa de captação de anunciantes. “Não levamos para os clubes porque não tinha nada concreto”, disse Vasconcelos.

“Para eu assinar um documento para ele (VTR) em nome da federação, só depois da assinatura e concordância de todos os clubes. Na proposta, tem multas para os clubes e para a FFDF. Tem clubes que acham interessante receber R$ 50 mil, mas para alguns não é interessante”, esclareceu Daniel.

Para o presidente, “não tem nenhum maluco para dizer que não quer dinheiro” e o valor realmente seria interessante para a FFDF que arca com várias despesas dos times, como pagamento de arbitragem e ambulâncias.

Acordo com a TV Brasília ainda não deu lucro aos times

O mandatário da FFDF relembrou que depois que a Globo e a entidade encerraram negociações não teve mais retorno da VTR Live Media e disse não se recordar o porque de não ter novamente procurado a empresa de mídia. No início de novembro de 2019, o Distrito do Esporte divulgou, em primeira mão, que a FFDF fechara contrato de dois anos com a TV Brasília para a transmissão da competição. No acordo, a emissora arcaria com os custos de operação e, caso houvesse lucro com o certame, esse seria dividido em 50% com cada equipe.

Segundo dirigentes consultados, até o momento não houve lucro com a transmissão do campeonato. O único dinheiro que entrou foi com placas publicitárias vendidas pelas próprias agremiações e que vão totalmente para os times – a TV Brasília cedeu a totalidade do arrecadado com placas volantes à beira do gramado.

Além da proposta pela primeira divisão, a VTR Live Media propôs a transmissão da Segunda Divisão em modelo de divisão de lucros, o mesmo adotado pela TV Brasília na divisão principal, mas, segundo Vitor, não houve qualquer resposta.

FFDF conversava com televisões desde maio de 2019

Daniel Vasconcelos afirmou que as negociações com a VTR não tiveram seguimento porque havia tratativas com a Rede Globo e, por isso, não poderia negociar com outros veículos. Porém, conforme o DDE mostrou, com exclusividade, à época, em maio de 2019 a FFDF teve um almoço em badalado restaurante da capital com representantes da Band TV.

A Rede Record também abriu negociaçõesnc. Inclusive, era a favorita, no mês de setembro de 2019. Porém, a TV Brasília se sagrou a grande campeã.

Em setembro de 2019, o Distrito do Esporte publicou matéria destacando que “e acordo com fontes consultadas pela reportagem do Distrito do Esporte, as primeiras conversas com as emissoras interessadas no Candangão 2020 indicam que os valores a serem recebidos pelos clubes participantes da competição sofreriam leve queda. Porém, em um primeiro momento, esse não seria o fator preponderante para definir quem terá exclusividade nos jogos. Contrapartidas como a transmissão de jogos no decorrer do torneio e a exposição das equipes são os maiores desejos das partes.”

O post Exclusivo: VTR propôs 600 mil pelo Candangão 2020, mas FFDF quis TV aberta apareceu primeiro em Distrito do Esporte.

Fonte: distritodoesporte.com
Author: Bruno Henrique de Moura

Powered by WPeMatico

ESTÁDIO NACIONAL MANÉ GARRICHA

O Portal do estadiomanegarrincha.com.br é um portal independente, que reúne informações sobre notícias do esporte, jogos e eventos no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Siga-me no Twitter

Facebook

Idiomas: