Jogador de Minas Gerais é enganado por empresário no DF


Por Lucas Espíndola

O Campeonato Candango 2021 acabou no último fim de semana com o Brasiliense campeão. O certame deste ano conviveu com desconfianças, tanto que o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) investiga uma suspeita de manipulação de resultados. Mas outros problemas menos populares também estão por trás do futebol da capital federal neste ano. Felipe Lima, jogador nascido em Minas Gerais, alega ter sido enganado por um empresário que lhe prometeu um clube local para jogar.

Em contato com a reportagem do Distrito do Esporte, o jogador contou tudo que aconteceu. Começou quando Felipe Carlos Lima deixou o SC Campo Mourão, após a disputa da terceira divisão do Campeonato Paranaense 2020. Depois do certame, ele ficou desempregado e voltou para o seu estado, Minas Gerais. Em janeiro, enquanto estava em casa, o jogador pediu para um atleta conhecido para apresentá-lo a um homem que se dizia ex-dirigente de times do Distrito Federal. O empresário seria Pedro Paulo e ele já conhecia o atleta amigo de Felipe, chamado Cleiton.

Após ser apresentado a Pedro Paulo, o jogador mineiro pediu uma oportunidade para jogar no futebol da capital federal, pois o empresário havia garantido que conseguiria uma vaga em algum time do Candangão. Então Cleiton solicitou para que Pedro viabilizasse um clube para o amigo. Após isso, Pedro Paulo pediu dinheiro ao atleta. “Pedrão me pediu uma quantia de R$ 1.500,00, alegando que o dinheiro seria para bancar a minha transferência do Paraná para Brasília. Depois, com a desculpa de ser o intermediário da negociação, me pediu mais R$ 1.000,00”, contou Felipe.

Ao todo, o jogador diz ter depositado R$ 2.500 para Pedro Paulo, com o objetivo de manter o sonho de seguir jogando profissionalmente, ainda mais por uma equipe de primeira divisão de um campeonato estadual. Após o depósito, o empresário solicitou que o jogador viajasse para a capital federal, já que, segundo ele, estava negociando o atleta para jogar pelo Samambaia. Tudo isso aconteceu após a segunda rodada do Candangão, nos últimos dias de fevereiro, antes de o campeonato ser paralisado por um decreto do governador Ibaneis Rocha para conter a propagação da covid-19.

O atleta ficou uma semana em um hotel e pagou do próprio bolso. Antes de vir à capital federal, Felipe diz ter combinado para Pedro Paulo arcar os gastos de hospedagem. O mineiro voltou para sua cidade após ficar sete dias no Distrito Federal, após ter desembolsado R$ 760,00, com alimentação e os custos do hotel. Dias depois, o empresário fez um novo contato. Depois de alguns dias, Pedrão ligou para Felipe. “Pedro Paulo me disse que entrou em contato com um amigo, que se chama Di, dizendo que ele trabalhava no Brasiliense e tentaria me colocar no clube”, contou o atleta.

Porém, para isso, o atleta diz ter desembolsado mais R$ 1.000 a pedido do empresário, que prometeu tentar uma vaga no Jacaré para o jogador. Sem dinheiro, Felipe pediu a quantia emprestada para familiares e amigos, para continuar seguindo o seu sonho. Após dar mais dinheiro para Pedro Paulo, Felipe retornou ao Distrito Federal para passar alguns dias e, finalmente assinar o contrato tão esperado.

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Com a promessa de que Di arrumaria uma vaga no Jacaré, Felipe passou mais do que o esperado na capital federal e ficou 30 dias em um hotel na Ceilândia. Nesse quase um mês hospedado, o jogador alega ter convivido com mentiras de Pedro Paulo. “O Pedrão falou que estava ajeitando um lugar para mim no Brasiliense, pediu para ter paciência. Ele dava diversas desculpas para não me levar até o Centro de Treinamento do time”, disse o atleta. “Uma vez Pedro Paulo me colocou para falar com Di, ele me pediu para ir embora para casa e voltar alguns dias depois, para assinar o contrato”, completou à reportagem.

Para jogar no Brasiliense, foi prometido a Felipe que ele assinaria o contrato de um ano, com salário de R$ 6 mil por mês. Após voltar para Minas Gerais mais uma vez, Felipe desconfiou haver caído em um golpe. O atleta entrou em contato com Pedro Paulo diversas vezes para cobrar todo o dinheiro gasto, mas o empresário simplesmente sumiu, não atendia mais as ligações do atleta e nem respondia mensagens no aplicativo WhatsApp. “Ao todo, tive um prejuízo de mais de R$ 4.000,00, contando o dinheiro dado à Pedro Paulo e aos custos do hotel”, terminou Felipe.

Vale ressaltar que Felipe conseguiu ir embora somente após pedir dinheiro emprestado para Cleiton, amigo que havia indicado o atleta para Pedro Paulo. Neste período que Felipe passou no Distrito Federal, ele diz que o empresário fez questão de ver o jogador poucas vezes. Ele contou ao Distrito do Esporte que teve menos de dez encontros presenciais, todos eles na rua.

Pedrão simula conversa ao telefone na frente de Felipe

Em um dos encontros entre o empresário e o jogador, o atleta gravou uma conversa onde supostamente Pedro Paulo falava com Di. No diálogo, a qual o Distrito do Esporte teve acesso, o empresário conta que Felipe Lima já estava há 30 dias no DF e cobra o suposto funcionário do Brasiliense. “Tem um mês que o cara está aqui e ainda tem o hotel que estou te falando. Esse hotel eu estou ferrado, você vai pagar isso!”, disse na gravação. Ainda no telefone, Pedrão comenta que todo jogador que atua no Distrito Federal quer jogar no Jacaré e, se fosse por falta de vaga, para Di falar.

Ainda na ligação, Pedro Paulo continua insistindo com a outra pessoa do outro lado da linha, como se fosse para assinar o contrato logo. Em um determinado momento, o empresário diz que a sorte era que o Jacaré teria calendário. “Ainda bem que tem a Série D, Copa do Brasil aí para frente, imagina se não tivesse”, dando mais esperanças ao jogador, que escutava toda a conversa entre os dois. Logo em seguida, Pedrão reclama sobre uma certa pressão em cima dele. “O certo é o certo, não estou aguentando mais essa pressão, e olha que ele é gente boa para cara***. É jogador me ligando, é hotel, até avó de jogador que eu coloquei no Paraná Clube’, encerrou. Depois disso, Felipe finalizou a gravação.

Pedro Paulo enganou mais um jogador

Cleiton, jogador e amigo de Felipe Lima, conheceu Pedro Paulo em uma passagem pelo futebol do Distrito Federal, em 2019, quando atuou pelo Botafogo-DF. Assim que começou o treinamento para jogar a Segundinha, o empresário disse que arrumaria uma vaga para o atleta no Gama, após o ver jogando e dando a desculpa que gostou do futebol do rapaz. Pedro Paulo disse que arrumaria uma lugar para ele no alviverde por R$ 1.000, e que Cleiton assinaria um contrato de dois anos com o Periquito e receberia um salário de R$ 2.500.

O atleta depositou o dinheiro e o empresário começou a fazer promessas. Pedro Paulo disse que o Gama mandaria o contrato por PDF através de um e-mail. Cleiton confiou até certo ponto nas falas do “ex-dirigente”. O tal contrato não chegava e Cleiton começou a desconfiar e, até então, o jogador não foi chamado para viajar para o DF. A justificativa que Pedrão deu ao jogador foi que o Gama havia sido campeão do Candangão, e que o clube estava cheio de atletas, se Cleiton fosse para o Gama, o jogador só iria para treinar.

Depois de um tempo, Cleiton viajou para o Paraná, onde iria atuar por um time na terceirona do estado, mas por alguns problemas, acabou não sendo inscrito no certame local. Em solo paranaense, Felipe Lima e Cleiton se conheceram. Após passar um tempo no Paraná e não conseguir jogar, Cleiton entrou em contato com Pedro Paulo. “Pô, Pedrão, aquela dívida que você tem lá comigo, da situação do Gama, como você poderia estar me ajudando?”. Pedro Paulo teria respondido que arrumaria uma vaga em um time da primeira divisão do Campeonato Candango.

Depois dessa promessa, o empresário ainda pediu para o jogador pagar uma “taxa” para ele no valor de mais de R$ 600,00. Sonhando com um futuro dentro das quatro linhas, o atleta depositou a quantia solicitada. Foi neste momento que Cleiton pediu uma vaga para Felipe Lima. Em meio as desculpas de Pedro Paulo, Cleiton também veio para Brasília e ficou com o amigo no hotel. Porém, o atleta cansou da espera e solicitou o dinheiro de volta. O empresário ludibriou bastante o jogador, mas acabou pagando a passagem de volta. Cleiton, então, embarcou para sua cidade, que fica ao lado de Salvador-BA.

Pedrão, Samambaia e Brasiliense foram procurados

A reportagem do Distrito do Esporte entrou em contato com Pedro Paulo através dos números fornecidos pelos jogadores. O empresário não atendeu as ligações e não respondeu as mensagens enviadas para ele. Em contato com o presidente do Samambaia, Neimar Frota, o homem forte da Cobra Cipó informou que o atleta Felipe Lima não foi oferecido ao clube em nenhum momento. O mandatário também disse desconhecer a história do jogador mineiro. A assessoria do Brasiliense disse que nunca teve qualquer vínculo empregatício com Di, e também desconhece a oferta ao atleta para jogar no Jacaré.

O post Jogador de Minas Gerais é enganado por empresário no DF apareceu primeiro em Distrito do Esporte.

Fonte: distritodoesporte.com
Author: Lucas Espíndola

Powered by WPeMatico

ESTÁDIO NACIONAL MANÉ GARRICHA

O Portal do estadiomanegarrincha.com.br é um portal independente, que reúne informações sobre notícias do esporte, jogos e eventos no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Siga-me no Twitter

Idiomas: